Proteção à Vítima - Live do CRAVI aborda cuidados com vitimas de violência doméstica durante isolamento social

Com a pandemia do Covid-19, que intensifica o convívio familiar, as mulheres que sofrem violência doméstica necessitam de um cuidado especial.

Pensando nessa população, a equipe do Centro de Referência e Apoio à Vítima (CRAVI), da Secretaria da Justiça e Cidadania, realizou nesta quinta-feira (14), às 15h, via Instagram, uma live com a temática “Vítimas de violência doméstica em tempo de isolamento social: O que dizem as mulheres?”.

Durante a conversa interativa, a psicóloga Priscila Martins D’Auria abordou a metodologia de trabalho realizada com as vítimas de violência doméstica, relatou como elas estão enfrentando o isolamento social, e também explicou como são realizados os atendimentos às mulheres cujos autores passaram por audiência de custódia.

“A violência tem vários aspectos: moral, patrimonial, social, mas a física é a mais evidente. Quando atendemos as vítimas não julgamos, apenas ouvimos o que elas tem a dizer. Com isso construímos uma relação de confiança e podemos ajudá-las a enfrentar essa situação”, disse Priscila.

O coordenador do CRAVI, Bruno Fedri, ressaltou que o isolamento social apresentou desafios inéditos para a realização dos atendimentos aos usuários do programa, que ocorrem via telefone e internet.   

Os profissionais enfatizaram  que qualquer pessoa que se sentir vítima pode entrar em contato com o CRAVI via e-mail: cravi@justica.sp.gov.br, ou telefone: (11) 3291.2624.

Um profissional está de plantão para encaminhar os casos para uma das unidades do programa localizadas em São Paulo, Barueri, Suzano, Araçatuba, Santos e São Vicente.

Assista aqui a íntegra da live.

O CRAVI

O Centro de Referência e Apoio à Vítima (CRAVI) oferece atendimento psicossocial e jurídico gratuito a vítimas e familiares de crimes violentos no Fórum Criminal da Barra e nos municípios de Suzano, Araçatuba, Santos, São Vicente e Barueri. De janeiro à dezembro de 2019 foram contabilizados 2.486 triagens, acolhimentos e atendimentos.

Outra atividade do CRAVI são as oficinas mensais com o objetivo de divulgar seus serviços e proporcionar um espaço de sensibilização sobre temas relativos aos direitos humanos, entre eles, automutilação, importunação sexual, violência contra a mulher, dependência química, exploração e abuso sexual contra crianças e adolescentes, proteção à testemunha, suicídio e bullying, e política nacional da Assistência Social e Racismo.

 

Compartilhe esta notícia: