Fórum Inter-Religioso incentiva tolerância e respeito nas escolas

Total de alunos participantes ultrapassa 10 mil; no evento mais recente, 200 estudantes assistiram a palestra com umbandista e pastor 

A informação é um dos instrumentos mais importantes para combater a intolerância religiosa. E a Secretaria da Justiça e Cidadania, por meio do Fórum Inter-religioso para uma Cultura de Paz e Liberdade de Crença, mantém frentes de caráter educativo muito atuantes para orientar e incentivar o respeito à diversidade religiosa. Entre as ações mais relevantes, estão os encontros em instituições de ensino, com participação de alunos, professores, servidores e pais, para tratar da liberdade de religião. Desde 2018, o Fórum promoveu o diálogo inter-religioso para mais de 10 mil participantes de unidades de ensino públicas e privadas, em todo o Estado de São Paulo.

No dia 16 de novembro, Evandro César de Oliveira Fernandes, membro titular do Fórum Inter-Religioso estadual, proferiu palestra para 200 alunos, na ETEC Trajano Camargo, em Limeira. Com o tema intolerância religiosa, numa demonstração do respeito que permeia a essência do Fórum, Pai Evandro, sacerdote umbandista, dividiu a apresentação com Thiago Candonga, pastor da Igreja Presbiteriana e um dos coordenadores do Fórum Inter-Religioso do Município de Limeira. 

Pai Evandro abordou a relevância da Lei Estadual de Liberdade Religiosa, pioneira no País, que pune administrativamente a intolerância religiosa.  “Apresentei, ainda, os dados de denúncias recebidos pela Ouvidoria da Secretaria da Justiça e Cidadania: 129 apenas entre janeiro e outubro de 2022”, explicou. “Os alunos ficaram impressionados. A maioria dos casos denunciados, 51 nesse período, atinge as religiões de matriz africana. Muitos estudantes eram do candomblé e se sentiram seguros para falar do preconceito que vêm enfrentando”, afirmou o sacerdote. 

Ele destacou a importância de denunciar, divulgar esses números e mostrar os resultados. “Muitas pessoas, por medo, sofrem preconceito, violência e se calam. Isso precisa mudar, para que haja o respeito e sejam tomadas providências.”

O pastor Candonga revelou que foi criado dentro de um lar preconceituoso, mas rompeu esse ciclo de intolerância. “Não precisamos concordar com o outro, mas respeitar o outro”, afirmou. E pediu perdão a todos os que já sofreram por ser de uma religião de matriz africana.

A cidade de Limeira foi a primeira a ter o Fórum Inter-Religioso Municipal. A iniciativa foi fomentada pelo Fórum Estadual, que já serviu de exemplo para outros municípios paulistas e estados também.