MILTON’S DE ESPERANÇA E LUTA, CONTRA O RACISMO E PELA IGUALDADE: MILTON GONÇALVES!

Por Antonio Carlos da Silva Barros - Coordenador do CPPNI

Durante esta semana, nosso país conviveu com a partida presencial de uma pessoa que marcou a história da televisão brasileira e da luta pela construção de um país com maior igualdade de participação para todos, nosso admirado Milton Gonçalves.

Outro Milton, Milton Santos, foi uma personalidade expressiva que questionava a ambivalência do tratamento da comunidade negra em solo brasileiro, defendendo que a questão do preconceito, da discriminação e do racismo devem ser pensados em todos os espaços, até produzir nova consciência.

Milton Gonçalves tornou-se um eco desse pensamento, exemplo de guerreiro, nos espaços onde se fazia presente, fosse no campo da política ou da cultura.

Desenvolveu ações para que atores negros estivessem presentes nos mais diversos papéis, ultrapassando a visão negativa. Batalhador pela superação da invisibilidade das pessoas negras no ambiente do trabalho. Sonhou a participação dessa população nos mais variados cargos dos poderes executivo, legislativo e judiciário.

Sua responsabilidade e versatilidade na produção artística e cultural, seja na atuação ou na direção de projetos, cativava aqueles que conviviam com sua maestria.

Uma das melhores expressões na mídia, em relação a este momento histórico, adveio de um grande amigo de Milton Gonçalves, Antonio Pitanga, ao recordar que “onde havia luta pelo negro, pela mulher ou pelo indígena, Milton estava presente”.  (https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2022/05/31/o-meu-pai-foi-o-melhor-em-tudo-que-ele-se-propos-a-fazer-diz-filha-de-milton-goncalves.ghtml)

Que Milton Gonçalves siga em paz, acompanhado da canção de outro Milton, o Nascimento, que em “Carta à República” nos recorda o exemplo deste maravilhoso ícone: “ E foi por ter posto a mão no futuro. Que no presente preciso ser duro. Eu não posso me acomodar”.

Nenhum de nós, diante deste momento histórico em que a comunidade negra vê um “homem negro ser assassinado em câmara de gás”, pode assumir outra posição, senão aquela que nos ensinaram os Milton’s: Eu não posso me acomodar!

Gratidão, Milton Gonçalves, por nos ensinar a sermos guerreiros e lutadores sempre!