Tragédia de Suzano - Secretaria da Justiça apresenta balanço do atendimento prestado às vítimas de escola de Suzano

A Secretaria da Justiça e Cidadania apresentou um balanço do atendimento prestados às vítimas e familiares de vítimas da tragédia na Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano, ocorrida em março. O balanço foi apresentado durante entrevista coletiva realizada na tarde de quarta-feira (5), juntamente com informações das Secretarias da Saúde e da Educação e da Defensoria Pública.  “É um trabalho grande e integrado prestado por diversas secretarias”, explicou Paulo Dimas Mascaretti, secretário da Justiça e Cidadania.

Logo após a tragédia, a Secretaria da Justiça deslocou equipe do Centro de Apoio à Vítima (CRAVI) para Suzano, prestando, desde então, atendimentos às vítimas diretas e indiretas do ataque, que incluíram apoio psicológico e de assistência social, acompanhamento no reconhecimento dos corpos pelos familiares, suporte psicossocial domiciliar para pessoas sem condições de retornar à escola e formação de grupos de apoio para alunos e inspetores da Raul Brasil.

Secretário Paulo Dimas Mascaretti fala na entrevista coletiva

Desde então e até o dia 31 de maio, o CRAVI realizou 517 atendimentos individuais e em grupos a alunos sobreviventes, familiares, funcionários e professores, além de 25 plantões psicológicos na escola.

“Vamos instalar um CRAVI específico em Suzano”, anunciou o secretário Paulo Dimas. “Já foi realizado chamamento público para contratar uma equipe de profissionais que serão capacitados para atuar no atendimento às vítimas da tragédia e seus familiares”.

Paulo Dimas ressaltou, ainda, que a Secretaria da Justiça colocou à disposição o Instituto de Medicina e Criminologia do Estado (IMESC), que realiza perícias judiciais. O IMESC, vinculado à Pasta da Justiça, realizou perícias em 11 vítimas. “Estas perícias, inclusive foram feitas imediatamente, extrajudicialmente e em 15 dias os laudos ficaram prontos”, explicou. Esses laudos foram entregues à Defensoria, em abril, e subsidiaram a Defensoria Pública nos acordos de indenização.

Na entrevista, foi anunciado, ainda, que a Procuradoria Geral do Estado (PGE) e a Defensoria Pública firmaram os acordos de indenizações com todas as vítimas e Foram oferecidas ao todo 45 indenizações, sendo 32 familiares das sete vítimas fatais, todas as 11 vítimas que sofreram lesões e dois pais das vítimas lesionadas. “Foi a posição do Governador, que no mesmo dia do ocorrido pediu o preparação do decreto de reconhecimento da responsabilidade civil do Estado. Só quando há o reconhecimento por decreto, que nós conseguimos fazer o pagamento tão rapidamente. Com isso, nós antecipamos uma etapa, que é a análise da culpa do Estado. Com o decreto já partimos para a etapa da extração dos parâmetros de indenização”, explicou a Procuradora Geral do Estado, Lia Porto Corona.

Também estiveram presentes no anúncio o defensor público-geral, Davi Depiné, a 1ª subdefensora pública-geral do Estado, Juliana Belloque, que coordenou os trabalhos por parte da Defensoria nesse tema. Participaram também os secretários de Estado da Educação, Rossieli Soares da Silva, e da Saúde, José Henrique Germann Ferreira, que trataram das iniciativas das respectivas pastas em apoio à comunidade atingida.

 

Secretaria da Justiça e Cidadania

Email: justica@justica.sp.gov.br

Tel.: (11) 3291-2612

Compartilhe esta notícia: